Se você já assistiu “(500) Dias Com Ela” sabe do que estou falando. Vinte e cinco segundos. Eu contei. Vinte e cinco segundos podem representar sua ruína. É o tempo que dura aquela cena no elevador, quando Tom está escutando “There Is a Light That Never Goes Out” e ela, graciosamente chega perto diz “Eu amo os Smiths!” e ainda canta um trechinho da canção feito um gatinho doente, dançando com olhos e pescoços e franjas e todos aqueles quilômetros de lábios róseos feito morango em foto publicitária. Vinte e cinco segundos, cara. E você foi surrupiado de si mesmo e está fodido por uns cinco anos.
Gabito Nunes.  (via fixness)
Chega à ser irônico. Como é que um vazio pode doer tanto assim?
Gabriel Pizzo.   (via sutilizar-se)
Sempre fui melhor sozinho, não sei porque fui inventar de querer estar com alguém.
zebukowski.   (via bloqueioemocional)
Moça, não crie expectativas com sentimentos vazios. Apenas deixe Deus agir.
— Bruna Miguel  (via ad0rar-te)
Mas talvez esse seja meu grande defeito, mergulhar de cabeça sem me dar conta de que, as vezes, as pessoas são rasas demais.
Débora Alves  (via oxigenios)
Matemática é para os fracos, quero ver alguém me resolver.
Tati Bernardi (via serporestar)
Essa mania que as pessoas tem de dizer, “no final as coisas se ajeitam”. Porra, no final ninguém é feliz, no final a gente morre.
Sean Wilhelm.   (via m—yself)
Acho que eu não nasci pra ser feliz, nem bonito, nem nada.
Os Simpsons.  (via quase-heroi)
Se toda aquela tempestade não passar, transforme a chuva em sua amiga e brinque com os raios e trovões que tanto te assustam.
Romeuemcrise.     (via romeuemcrise)
Mãe,

o-cancioneiro:

que estrago foi esse feito no meu peito, eu não sinto, tá vazio.